Escolha uma Página

Se você acompanha o nosso blog, já deve saber o quanto um bom planejamento tributário é essencial para manter a vida financeira da sua empresa em dia, e também evitar multas e outros problemas com o Fisco.

Porém, apesar disso, nem todos os empresários ou até mesmo os contadores sabem exatamente como realizar um bom planejamento tributário. Para lhe ajudar, hoje nós separamos algumas dicas importantes. Confira!

Entenda quais são os principais tributos que incidem sobre seus negócios

Antes de começar o seu planejamento tributário propriamente dito é fundamental que você saiba quais são os impostos que incidem sobre o seu negócio – e o quanto esse montante tem impactado a vida financeira da sua empresa.

Parece incrível, mas muitos empresários não têm a menor ideia do quanto acabam pagando de impostos e essa falta de conhecimento pode dificultar, por exemplo, na hora de definir a margem de contribuição correta de cada um dos seus produtos, tornando a sua vida financeira mais complicada.

Os impostos que, costumeiramente, costumam ser cobrados da maioria das empresas são:

  • PIS e Cofins: as alíquotas do PIS podem variar entre 0,65% e 1,65%, enquanto do Cofins gira em torno de 3% a 7,6%, dependendo do regime tributário da sua empresa e também do tipo de mercadoria que você comercializa;
  • ICMS: é o imposto que recai sobre a circulação de mercadorias, com alíquotas que variam de acordo com o estado onde sua empresa está instalada ou onde realiza seus negócios;
  • IPI: é o imposto pago sobre os produtos industrializados e é tributado quando o produto sai finalizado da fábrica. As alíquotas podem variar entre 0% (nos casos de isenções fiscais) a até 300%;
  • CSLL: é a contribuição social sobre o lucro líquido, com alíquota de 9%;
  • IRPJ: é o imposto de renda de pessoa jurídica e a alíquota é de 15%;
  • ISSQN: é o imposto sobre serviços e cobrado pelo município onde está situada a sua empresa, podendo variar entre 2% e 5%.

Além desses, ainda existem impostos relacionados à sua folha de pagamento, por exemplo, e até sobre o pró-labore dos sócios. Por isso, é importante colocar no papel todos os tributos.

Analise se o regime tributário escolhido é o ideal

Outro ponto que pode fazer com que algumas empresas paguem impostos a mais do que o necessário é a falta de cuidado na hora da escolha do regime tributário. Ele é o principal “balizador” das taxas e dos valores dos impostos que você deverá pagar, inclusive sendo o responsável por fazer com que o seu negócio tenha (ou não) direito a alguns incentivos fiscais.

Os regimes possíveis são:

  • microempreendedor individual (MEI): o faturamento máximo deverá ser de R$ 60 mil por ano e todos os impostos são cobrados de maneira única na parcela mensal que varia de R$ 47,85 a R$ 51,85 (dependendo se você é ou não prestador de serviços);
  • simples nacional: o faturamento máximo permitido é de R$ 4,8 milhões ao ano. Assim como o MEI, os impostos são pagos em uma guia única (DAS), com carga tributária reduzida;
  • lucro presumido: o faturamento anual não poderá ultrapassar R$ 78 milhões. Neste caso, o IRPJ e a CSLL são presumidos pela receita federal e independem do lucro obtido. Assim, independente de você ter tido mais lucro que o valor estipulado, ou prejuízo, terá de pagar o mesmo valor de imposto;
  • lucro real: o faturamento máximo anual também é de R$ 78 milhões, porém, nesse caso, o valor dos impostos recai sobre o lucro apurado no período, sendo que em caso de prejuízo, não é necessário o pagamento dos impostos. Apesar de ser mais burocrático, em algumas empresas esse sistema é mais vantajoso, já que permite compensar os prejuízos fiscais anteriores e até mesmo reduzir o recolhimento do IRPJ e da CSLL.

Busque reduzir a quantidade de impostos

É importante sempre lembrar que o objetivo de qualquer planejamento tributário é reduzir a quantidade de impostos que a sua empresa deverá pagar. Por isso, busque analisar quais ações poderiam ser tomadas nesse sentido.

Uma das possibilidades é buscar evitar o fator gerador dos tributos, praticando ações que têm o mesmo efeito, porém sem a incidência da tributação. Por exemplo, optar pelo pagamento dos sócios através da distribuição dos lucros (ao invés do pró-labore). Essa medida é livre de INSS e IRPF, ambos os impostos que recaem no pró-labore.

Analise e simule cenários

Um bom planejamento tributário é aquele que compreende a realidade da sua empresa e busca prever e antecipar situações, encontrando as melhores opções para reduzir a incidência dos tributos.

Assim, vale à pena pensar em vários cenários para uma mesma ação, encontrando aquele que seja mais vantajoso. Um exemplo muito comum está relacionado à compra de insumos que, dependendo da empresa ou da localidade, poderá sofrer com mais ou menos tributos.

Você poderá considerar vários pontos na sua simulação, como:

  • mão-de-obra;
  • despesas de operacionalização;
  • compras;
  • lucratividade;
  • receita;

Analise com cuidado o impacto do PIS e do Cofins no seu planejamento tributário

O PIS e o Cofins são impostos importantes e que podem variar dependendo da escolha entre Regime Cumulativo ou Não Cumulativo. As empresas tributadas pelo Lucro Real apuram PIS e Cofins pelo Regime Não Cumulativo, enquanto as empresas de Lucro Presumido o fazem pelo Regime Cumulativo.

Nesse caso, analise a economia como um todo para cada um dos regimes, encontrando o melhor para o seu caso, evitando analisar apenas o Imposto de Renda de Pessoa Física ou a Contribuição Social.

Conheça a legislação tributária

A legislação tributária brasileira é bem ampla e complexa, com impostos de diferentes naturezas e que podem variar dependendo do estado ou da cidade onde sua empresa se situa, ou ainda dos tipos de produtos que comercializa.

Um bom planejamento tributário leva em consideração todos os detalhes das leis tributárias, operacionalizando as atividades principais do seu negócio de modo a recolher menos impostos, sem ferir os pontos principais das leis.

Como você pode notar, um bom planejamento tributário deverá envolver muitas equipes da sua empresa, buscando entender a realidade de cada um dos setores e planejando medidas e ações que impactem de maneira global no seu negócio.

Para quem não possui uma equipe interna qualificada ou acostumada a lidar com esses assuntos, pode ser difícil conseguir reduzir a carga tributária sem incorrer em erros que podem gerar multas e problemas com o Fisco.

Nesses casos, o melhor é contar com uma ajuda especializada, com profissionais atualizados e capacitados, capazes de tornarem o seu planejamento tributário muito mais prático e eficiente, trazendo vantagens financeiras a sua empresa.

Já está convencido de que essa é a solução que faltava para tornar o seu negócio ainda mais rentável? Então entre em contato com um dos nossos consultores e descubra como podemos ajudá-lo!