Escolha uma Página

O planejamento tributário pode ser um aliado extremamente importante do seu negócio, reduzindo o desperdício com pagamentos de tributos errados ou calculados de maneira inadequada para a sua realidade, e ainda aumentando a segurança da sua empresa nas suas realizações.

Apesar disso, nem todos os gestores ainda utilizam essa ferramenta de maneira correta, incorrendo em vários problemas com o Fisco e até mesmo dificuldades financeiras devido a tributos mal planejados.

Se esse é o seu caso, continue a leitura e veja dicas práticas para começar o seu planejamento tributário de maneira eficaz.

Defina como será o seu planejamento tributário

Antes de começar a “colocar a mão na massa”, é essencial definir alguns pontos importantes, como por exemplo, o tipo de planejamento tributário que será realizado. Os mais usados são:

  • planejamento tributário preventivo: é realizado de maneira contínua, sendo focado principalmente nas atividades de cumprimentos das obrigações principais e acessórias;
  • planejamento tributário corretivo: é usado quando alguma anormalidade é detectada. A partir disso, um estudo é feito para corrigir essas inconsistências, reduzindo a exposição ao Fisco e ainda ajudando a recuperar determinados valores monetários, como créditos fiscais ou débitos indevidos;
  • planejamento tributário especial: é realizado quando algum fato impacta de forma direta a operação da empresa, como lançamento de novos produtos, aberturas de filiais, processos societários, aquisição ou alienação da empresa, exportação, entre outros.

Para definir qual é o tipo de planejamento tributário mais interessante no momento, é muito importante que você consiga analisar friamente a realidade do seu negócio, com algumas informações essenciais, como:

  • histórico da empresa (análise se houve recolhimento indevido para mais ou para menos, se houve ação fiscal sobre fatos geradores decaídos, se existe crédito fiscal, etc.);
  • receita bruta ou expectativa de faturamento;
  • despesas com pessoal e despesas operacionais;
  • margem de lucro.

Ebook Planejamento Tributário

Conheça todos os impostos que recaem sobre sua atuação

Quanto mais conhecimentos você tiver, mais fácil será realizar um planejamento tributário realmente efetivo. Por isso, converse com especialistas da área contábil e que estejam habituados a lidar com o seu setor de atuação.

Busque entender quais são os tributos que recaem sobre toda a sua cadeia produtiva, desde a aquisição de matéria-prima, até a distribuição do produto final e a venda nos pontos de venda. Entenda se existem maneiras legais de reduzir essa carga tributária.

Por exemplo, se a sua empresa atua em várias frentes, como vendendo peças para manutenção e realizando serviços, converse com seu contador sobre a possibilidade de desmembramento em duas empresas distintas – reduzindo a cobrança de impostos e também ajudando a aproveitar algumas isenções e benefícios fiscais próprios de cada setor.

Todos os seus setores devem ser incluídos no debate e na criação do seu planejamento tributário, afinal podem existir opções mais interessantes para o abatimento dos impostos em cada uma das suas áreas. O setor de compras, por exemplo, poderá optar por fornecedores que auxiliem na recuperação de créditos ou que ofereçam mais facilidades de isenções fiscais no caso de importação e exportação.

Entenda quais são as isenções, créditos e formas de recuperação fiscal

Um dos pontos em que muitos gestores penam na hora de realizarem seus planejamentos tributários é não entender exatamente como funcionam as isenções, os créditos e as recuperações fiscais. E isso acontece justamente porque a legislação tributária no Brasil é bastante vasta e pode ser totalmente diferente dependendo do estado ou da cidade de atuação do seu negócio, por exemplo.

Se você não tem familiaridade com esse setor, o mais recomendável é realizar a contratação de uma assessoria específica com especialistas que farão toda a revisão de todos os impostos pagos pela sua empresa nesses últimos 5 anos.

Esses especialistas conseguirão identificar os impostos que foram pagos a mais ou de maneira errada e que podem ser pleiteadas restituições (tanto diretamente ao Fisco, como na Justiça), enquadramentos mais interessantes e ainda créditos que não foram usados e que podem ser alocados para abatimentos de algumas dívidas, por exemplo.

A recuperação de créditos do INSS é um assunto que ainda gera muita dúvida em vários empresários, sendo que muitas empresas que contratam trabalhadores podem ter créditos a serem recuperados, mas que por desconhecimento acabam não o fazendo.

Crie metas e coloque-as em prática

Após realizar toda essa revisão, é essencial que as metas e os objetivos estipulados no seu planejamento tributário sejam colocados em prática e que os resultados continuem sendo avaliados durante todo o processo analisado.

Isso significa, por exemplo, que se a ideia foi modificar o regime tributário da empresa é importante analisar quais foram os ganhos e as economias geradas por essa mudança e, no próximo ano, verificar se a ação deverá se manter ou ser novamente modificada.

Não se esqueça também de fazer um planejamento tributário que esteja de acordo com vários tipos de cenários. Isso significa englobar determinadas medidas e ações para caso o mercado sofra retrações, ou expansões, permitindo que você saiba exatamente quais passos tomar caso venda mais do que o esperado e decida abrir uma nova filial, por exemplo, ou sua margem de lucro seja menor que a estimada e precise fazer uma grande demissão em uma das suas filiais.

Evite os erros mais comuns no planejamento tributário

Alguns erros e hábitos considerados “comuns” no meio empresarial podem colocar em risco o seu planejamento tributário, não o tornando tão eficiente como deveria. Veja os mais comuns a serem evitados:

  • omitir receitas e faturamentos;
  • optar por regimes tributários incorretos por desconhecimento;
  • realizar tomada de créditos tributários de forma indevida, principalmente na legislação PIS e COFINS;
  • atrasar o pagamento de tributos;
  • confundir patrimônio de pessoa física com jurídica;
  • cometer falta ou erro no envio de informações ao Fisco, o que pode gerar multas altíssimas;
  • atender à fiscalização de forma inadequada;
  • não considerar o “peso” dos impostos na hora de estipular os preços dos produtos ou serviços.

Conte com ajuda especializada

Mesmo com todas essas dicas, nem sempre é fácil compreender a fundo a realidade tributária da sua empresa, não é mesmo? Nesse momento, o melhor a fazer é contar com uma ajuda especializada e que esteja acostumada a lidar com planejamentos tributários dentro do seu setor de atuação.

Esses profissionais conseguem encontrar soluções legais para reduzir a carga tributária paga pela sua empresa e ainda entender as maneiras adequadas de promover a recuperação de créditos e incentivos fiscais.

Com todas essas dicas, ficou mais fácil fazer um planejamento tributário realmente eficiente para o seu negócio? Se você gostou desse conteúdo, curta a nossa página no Facebook e receba sempre dicas interessantes como essa!